A Internet das Coisas (IoT) na prática - Desafios e Case de Sucesso

É bastante promissor observar que muitas empresas já estão evoluindo e colocando em prática os pilotos desenvolvidos nos últimos anos.

Em outubro de 2017, a segunda edição do IoT Snapshot, Um retrato da adoção e do potencial da internet das coisas no mercado brasileiro, revelou uma evolução bastante promissora em relação ao que o mercado espera da internet das coisas (IoT - Internet of Things) e o quanto essa tecnologia está sendo adotada pelas empresas. Para citar um exemplo, as organizações que estão investindo em IoT, em processo de adoção ou que pretendem adotar a tecnologia em 2018 já são mais de 60% dos respondentes.

Nos últimos anos, aconteceram muitos testes, protótipos, experimentações e aprendizados. Além disso, surgiram modelos de negócios diferentes, parcerias e o florescimento de um novo mercado. Mas em meio a esse ambiente de pioneirismo, observamos empresas que já começaram a se deparar com um novo conjunto de desafios: os projetos-piloto começaram a dar certo e é hora de fazer o roll-out – e agora

Abaixo, listo quatro fatores que surgiram na pauta dessas empresas que já se convenceram dos benefícios da internet das coisas e agora querem usá-la na prática:

1 - Mensuração dos benefícios frente aos investimentos

As iniciativas de inovação e os projetos de IoT vinham, e ainda vêm, muitas vezes, sendo desenvolvidos com investimentos e budgets direcionados à experimentação. Esse movimento também contava com uma boa parcela de patrocínio da indústria, que queria mostrar suas soluções e se posicionar no mercado.

Quando esses projetos ganham proporções de operação real, a conta muda de dimensão. O entendimento dos benefícios se torna uma questão crítica, uma vez que os investimentos passam a concorrer com orçamentos direcionados a outras prioridades da organização.

2 - Robustez financeira e técnico-operacional dos parceiros

Outra mudança de patamar que acontece nesse momento diz respeito aos players envolvidos nas iniciativas de IoT. Enquanto teste, PoC ou piloto, exige-se pouca robustez dos participantes envolvidos – até porque muitas das soluções demandadas não são desenvolvidas por grandes players, mas sim por start-ups focadas em nichos muito específicos de mercado.

Quando a empresa passa dos testes para tentativas de roll-out, entram em cena necessidades como solidez financeira, volume de produção, suporte operacional às soluções e outros requisitos que são muito menos atrativos, mas que não podem falhar em uma operação real. Equilibrar as especificidades das soluções com a necessidade de robustez para um ambiente operacional é um dos desafios de quem está amadurecendo.

3 - Maturidade das equipes quanto às novas tecnologias e processos

A identificação, desenvolvimento e retenção de profissionais capacitados e motivados sempre foi um desafio comum de qualquer gestor. Esta complexidade aumenta consideravelmente quando estamos tratando de temas que ainda não estão maduros.
Muitas empresas contam com alguns profissionais de referência, que têm conseguido acompanhar essas inovações, mas têm dificuldade em construir equipes que possibilitem a concretização dos projetos. Contar com profissionais capacitados (e em constante aprimoramento) foi e, provavelmente, continuará sendo um tema relevante para os gestores de tecnologia.

4 - Segurança da informação, continuidade de negócios e governança – gestão de riscos

É sabido que, com a IoT, a quantidade de dispositivos conectados se multiplica e cada um deles pode se tornar um ponto de vulnerabilidade no ambiente tecnológico das empresas. Mas mesmo que este fato seja de conhecimento geral, o tema de segurança ainda não aparece de maneira voluntária como um elemento essencial na arquitetura de IoT. Isso ficou comprovado no IoT Snapshot 2017 – quando provocados, os respondentes concordaram que esse é um tema crítico, mas foi um dos menos citados de maneira voluntária.

Além disso, com as soluções de internet das coisas, a tecnologia passa a integrar elos da cadeia que usualmente contavam com pouco suporte tecnológico. Com isso, o escopo de continuidade de negócios tende a se ampliar de maneira significativa. A cobertura da tecnologia se amplia e, proporcionalmente, a necessidade de uma gestão de riscos relacionados à segurança e à continuidade das operações.

De qualquer forma, é bastante promissor observar que muitas empresas já estão evoluindo e colocando em prática os pilotos desenvolvidos nos últimos anos. O que eram promessas e apostas começam a se concretizar como uma realidade tangível. Mas a IoT, na prática, traz à tona novos desafios, que não são mais de experimentação, mas sim de operação, resiliência e confiabilidade. Por isso, é necessário manter o espírito jovem e a mente ainda mais aberta às novidades, mas amadurecer e ganhar robustez para se encaixar no ambiente real de operações.

Carros e caminhões da Volvo vão compartilhar alertas de trânsito

A Volvo decidu se unir na busca de um trânsito mais seguro e anunciou que seus veículos vão compartilhar em tempo real as informações recolhidas por suas tecnologias de alertas de trânsito.

Com isso, quando o pisca-alerta de um carro equipado com o sistema Hazard Light Alert for acionado, um alerta será enviado tanto para outros carros equipados com a tecnologia quanto para caminhões da Volvo Trucks que possuem sistema semelhante. O mesmo acontecerá caso o motorista de um desses caminhões ligue o pisca-alerta de seu veículo.

A partir da informação de que há automóveis diminuindo a velocidade ou completamente parados adiante, os motoristas poderão tomar atitudes que reduzem a chance de acidentes, como ir mais devagar ou até alterar a rota.

Esta é a primeira vez que a Volvo Cars divide com outra empresa (apesar de ambas serem Volvo, as companhias pertencem a grupos diferentes) os dados compartilhados entre carros com o sistema Hazard Light Alert, que é item de série de diversos modelos da marca desde 2016.

De acordo com a vice-presidente do Centro de Segurança Volvo Cars, Malin Ekholm, a expectativa é de que novas colaborações ocorrem nesse sentido. “Quanto mais veículos temos compartilhando dados de segurança em tempo real, mais seguras se tornam nossas estradas. Estamos ansiosos para estabelecer novas colaborações com outros parceiros que compartilham nosso compromisso com a segurança no trânsito”, disse em comunicado à imprensa.

Por enquanto, a comunicação entre carros e caminhões acontecerá somente entre veículos vendidos na Suécia e na Noruega. Para garantir o cumprimento da Regulação Geral de Proteção de Dados da União Europeia, que entra em vigor no fim de maio, os dados serão anônimos e agregados.

Referências:
http://cio.com.br/opiniao/
https://www.tecmundo.com.br/mobilidade-urbana-smart-cities

Como o Spotify migrou todo seu data center para o Google Cloud

"E o que as empresas podem aprender com isso; Migração foi complexa, mas agora desenvolvedores têm mais liberdade e maior escala."

O Spotify iniciou a utilização da Google Cloud Platform (GCP) em 2016, com investimentos de US$ 450 milhões em três anos. Para o Google, a plataforma de streaming de músicas tornou-se um cliente referência, não apenas pela sua marca e escala, mas também pela reputação como uma empresa centrada em engenharia e orientada por dados.

O Spotify, desde então, fechou ambos os data centers instalados nos EUA e estará livre de infraestrutura on-premise até o final do ano, após uma migração complexa.

Por que migrar?

Ramon van Alteren, diretor de engenharia do Spotify, comenta que, se pensar na quantidade de esforço necessário para manter a capacidade de computação, em armazenamento e rede de uma empresa global que atende a mais de 170 milhões de usuários, isso é uma quantidade considerável de trabalho.

Além de evitar que desenvolvedores se preocupem com provisionamento e manutenção de infraestrutura, a empresa também queria aproveitar algumas das inovações do Google Cloud, especificamente o data warehouse em nuvem BigQuery, Pub/Sub para envio de mensagens, além da ferramenta DataFlow para processamento em lote e streaming.

Migração de serviços: passo a passo

O plano de migração atual foi formulado em 2015 e dividido em duas partes: serviços e dados. A migração de serviços se concentrou na transferência de quase 1,2 mil microsserviços de data centers para o Google Cloud Platform.

Os três principais objetivos durante a migração, de acordo com van Alteren, foram minimizar a interrupção do desenvolvimento do produto, terminar o mais rápido possível para evitar o custo e a complexidade da execução em um ambiente híbrido, além de garantir que o Spotify não tivesse nenhum serviço executando em seus data centers.

Uma das primeiras ações que as empresas fizeram foi construir uma pequena equipe de migração de engenheiros e criar uma visualização real time de todo o estado de migração para que os engenheiros pudessem se assistir para ver o andamento do projeto.

Essa visualização parece um conjunto de bolhas vermelhas (data center) e verdes (Google Cloud), com cada bolha representando um sistema e o tamanho da bolha representando o número de máquinas envolvidas.

A migração de serviços começou com as dependências de mapeamento, já que a arquitetura no Spotify significa que cada microsserviço depende de 10 a 15 pessoas para atender uma solicitação do cliente. Isso significa que uma migração “big bang”, em que tudo para, não era uma opção, pois os clientes esperam um tempo de atividade constante do serviço.

Em vez disso, as equipes de engenharia do Spotify receberam a tarefa de transferir seus serviços para a nuvem em um sprint de duas semanas, período em que pararam efetivamente qualquer desenvolvimento de produto. Isso também permitiu que essas equipes começassem a avaliar sua arquitetura e desativassem qualquer coisa desnecessária.

Uma coisa que o Google Cloud fez especificamente para o Spotify durante a migração é a opção Virtual Private Cloud (VPC). “Isso permite que você construa de forma semelhante a uma rede interna que conecta vários projetos e eles podem cruzar conversas”, disse van Alteren.

Isso permite às equipes terem um bom controle de suas demandas e, com isso, elas conseguem fazer o que precisam e, se algo dá errado, é somente no setor, e não em toda a empresa.

Uma vez que a migração estava em fluxo total, a equipe de migração central começou a induzir secretamente falhas nesses sistemas de nuvem, registrando como as equipes reagiram na nova arquitetura.

“Isso ajudou a garantir que os sistemas de monitoramento fossem adequadamente estendidos para a nova implementação na nuvem, se uma equipe não percebesse, Finalmente, tivemos esta cartilha em que eles poderiam começar a usar os modos de falha na nuvem que talvez não tivessem no passado”, explica Peter Mark Verwoerd, arquiteto de soluções do Google.

Em maio de 2017, cada sprint de migração foi concluído e o tráfego estava sendo encaminhado para o Google Cloud. Então, em dezembro de 2017, o Spotify atingiu 100% dos usuários e já havia fechado o primeiro dos quatro data centers. Desde então, o segundo data center foi fechado e os dois últimos, ambos na Europa, serão encerrados até o final deste ano.

Migração de dados

Devido a um gráfico de dependência altamente complexo, foi um desafio mover 20 mil tarefas diárias de dados para o GCP sem causar falhas no fluxo, de acordo com Josh Baer, ​​gerente sênior de produtos para a infraestrutura de machine learning do Spotify.

O Spotify começou avaliando a possibilidade de uma migração ‘big bang’. Porém, mesmo com um link de rede de 160 gigabits por segundo, seriam necessários dois meses para copiar os dados do cluster do Hadoop para a infraestrutura do Google. “Nós não seríamos um grande negócio se estivéssemos perdidos por dois meses”, acrescentou ele.

A melhor estratégia, então, foi copiar os dados. “À medida que você transfere seu trabalho para o GCP, você copia suas dependências e, em seguida, pode transportar seu trabalho”, explicou. “Então, se você tem consumidores downstream, talvez tenha que copiar a saída do seu trabalho de volta ao nosso cluster local para que eles não sejam quebrados. Como a maior parte da migração de dados durou de seis a 12 meses, estávamos executando muitos desses empregos para preencher lacunas em nossa árvore de dependência.

Lições aprendidas

Max Charas, engenheiro de nuvem do Google, alerta: “essa estratégia de migração é muito personalizada para o Spotify, então, quem quiser fazer algo assim, pode parecer muito diferente.”

A empresa aprendeu algumas lições importantes com a migração. A primeira delas foi a preparação. “Nós nos preparamos provavelmente dois anos antes da migração e cada migração levou cerca de um ano. Tentamos criar um caso de uso mínimo para mostrar os benefícios da mudança para o GCP, mas isso não poderia ser uma coisa pequena para mostrar a verdadeira valor”, diz Charas.

Em segundo lugar foi o foco. Para Van Alteren, é realmente incrível o que pode ser feito com uma equipe de engenheiros focada em uma única coisa. Isso também ajudará os parceiros de negócios, que ficam mais felizes com um curto período de tempo sem desenvolvimento de produto em vez de um longo período de tempo.

A terceira foi a construção de uma equipe de migração dedicada para atuar como proteção para ajudá-los a saber o que precisam, transmitir experiências e aprendizados passados ​​e apenas os recursos de que precisam.

A última foi “sair do híbrido o mais rápido possível – todos esses trabalhos de cópia são caros e complexos”, disse Baer.

Resultados

Com a migração, os desenvolvedores estão com mais liberdade e maior escala, sem sacrificar a qualidade do serviço. “Qualidade de serviço é algo que medimos diligentemente e não houve degradação”, disse Van Alteren. “Os benefícios incluem nosso canal de entrega de eventos, que carrega os pagamentos de royalties para detentores de direitos. Quando mudamos para a nuvem, o pipeline transportava no pico de 800 mil eventos por segundo e agora carregam três milhões por segundo”, finaliza.

serviços de migração de dados

 

 

http://idgnow.com.br/ti-corporativa/2018/08/01/como-o-spotify-migrou-todo-seu-data-center-para-o-google-cloud/

Não posso fazer tijolos sem barro

Sherlock Holmes

"Dados! Dados!", gritou impaciente.
"Eu não posso fazer tijolos sem barro."
As Faias Cor de Cobre





E você? Como tomas suas decisões?
Tem o apoio de informações precisas sobre o seu negócio?

conheça nossos serviços