A Internet das Coisas (IoT) na prática - Desafios e Case de Sucesso

É bastante promissor observar que muitas empresas já estão evoluindo e colocando em prática os pilotos desenvolvidos nos últimos anos.

Em outubro de 2017, a segunda edição do IoT Snapshot, Um retrato da adoção e do potencial da internet das coisas no mercado brasileiro, revelou uma evolução bastante promissora em relação ao que o mercado espera da internet das coisas (IoT - Internet of Things) e o quanto essa tecnologia está sendo adotada pelas empresas. Para citar um exemplo, as organizações que estão investindo em IoT, em processo de adoção ou que pretendem adotar a tecnologia em 2018 já são mais de 60% dos respondentes.

Nos últimos anos, aconteceram muitos testes, protótipos, experimentações e aprendizados. Além disso, surgiram modelos de negócios diferentes, parcerias e o florescimento de um novo mercado. Mas em meio a esse ambiente de pioneirismo, observamos empresas que já começaram a se deparar com um novo conjunto de desafios: os projetos-piloto começaram a dar certo e é hora de fazer o roll-out – e agora

Abaixo, listo quatro fatores que surgiram na pauta dessas empresas que já se convenceram dos benefícios da internet das coisas e agora querem usá-la na prática:

1 - Mensuração dos benefícios frente aos investimentos

As iniciativas de inovação e os projetos de IoT vinham, e ainda vêm, muitas vezes, sendo desenvolvidos com investimentos e budgets direcionados à experimentação. Esse movimento também contava com uma boa parcela de patrocínio da indústria, que queria mostrar suas soluções e se posicionar no mercado.

Quando esses projetos ganham proporções de operação real, a conta muda de dimensão. O entendimento dos benefícios se torna uma questão crítica, uma vez que os investimentos passam a concorrer com orçamentos direcionados a outras prioridades da organização.

2 - Robustez financeira e técnico-operacional dos parceiros

Outra mudança de patamar que acontece nesse momento diz respeito aos players envolvidos nas iniciativas de IoT. Enquanto teste, PoC ou piloto, exige-se pouca robustez dos participantes envolvidos – até porque muitas das soluções demandadas não são desenvolvidas por grandes players, mas sim por start-ups focadas em nichos muito específicos de mercado.

Quando a empresa passa dos testes para tentativas de roll-out, entram em cena necessidades como solidez financeira, volume de produção, suporte operacional às soluções e outros requisitos que são muito menos atrativos, mas que não podem falhar em uma operação real. Equilibrar as especificidades das soluções com a necessidade de robustez para um ambiente operacional é um dos desafios de quem está amadurecendo.

3 - Maturidade das equipes quanto às novas tecnologias e processos

A identificação, desenvolvimento e retenção de profissionais capacitados e motivados sempre foi um desafio comum de qualquer gestor. Esta complexidade aumenta consideravelmente quando estamos tratando de temas que ainda não estão maduros.
Muitas empresas contam com alguns profissionais de referência, que têm conseguido acompanhar essas inovações, mas têm dificuldade em construir equipes que possibilitem a concretização dos projetos. Contar com profissionais capacitados (e em constante aprimoramento) foi e, provavelmente, continuará sendo um tema relevante para os gestores de tecnologia.

4 - Segurança da informação, continuidade de negócios e governança – gestão de riscos

É sabido que, com a IoT, a quantidade de dispositivos conectados se multiplica e cada um deles pode se tornar um ponto de vulnerabilidade no ambiente tecnológico das empresas. Mas mesmo que este fato seja de conhecimento geral, o tema de segurança ainda não aparece de maneira voluntária como um elemento essencial na arquitetura de IoT. Isso ficou comprovado no IoT Snapshot 2017 – quando provocados, os respondentes concordaram que esse é um tema crítico, mas foi um dos menos citados de maneira voluntária.

Além disso, com as soluções de internet das coisas, a tecnologia passa a integrar elos da cadeia que usualmente contavam com pouco suporte tecnológico. Com isso, o escopo de continuidade de negócios tende a se ampliar de maneira significativa. A cobertura da tecnologia se amplia e, proporcionalmente, a necessidade de uma gestão de riscos relacionados à segurança e à continuidade das operações.

De qualquer forma, é bastante promissor observar que muitas empresas já estão evoluindo e colocando em prática os pilotos desenvolvidos nos últimos anos. O que eram promessas e apostas começam a se concretizar como uma realidade tangível. Mas a IoT, na prática, traz à tona novos desafios, que não são mais de experimentação, mas sim de operação, resiliência e confiabilidade. Por isso, é necessário manter o espírito jovem e a mente ainda mais aberta às novidades, mas amadurecer e ganhar robustez para se encaixar no ambiente real de operações.

Carros e caminhões da Volvo vão compartilhar alertas de trânsito

A Volvo decidu se unir na busca de um trânsito mais seguro e anunciou que seus veículos vão compartilhar em tempo real as informações recolhidas por suas tecnologias de alertas de trânsito.

Com isso, quando o pisca-alerta de um carro equipado com o sistema Hazard Light Alert for acionado, um alerta será enviado tanto para outros carros equipados com a tecnologia quanto para caminhões da Volvo Trucks que possuem sistema semelhante. O mesmo acontecerá caso o motorista de um desses caminhões ligue o pisca-alerta de seu veículo.

A partir da informação de que há automóveis diminuindo a velocidade ou completamente parados adiante, os motoristas poderão tomar atitudes que reduzem a chance de acidentes, como ir mais devagar ou até alterar a rota.

Esta é a primeira vez que a Volvo Cars divide com outra empresa (apesar de ambas serem Volvo, as companhias pertencem a grupos diferentes) os dados compartilhados entre carros com o sistema Hazard Light Alert, que é item de série de diversos modelos da marca desde 2016.

De acordo com a vice-presidente do Centro de Segurança Volvo Cars, Malin Ekholm, a expectativa é de que novas colaborações ocorrem nesse sentido. “Quanto mais veículos temos compartilhando dados de segurança em tempo real, mais seguras se tornam nossas estradas. Estamos ansiosos para estabelecer novas colaborações com outros parceiros que compartilham nosso compromisso com a segurança no trânsito”, disse em comunicado à imprensa.

Por enquanto, a comunicação entre carros e caminhões acontecerá somente entre veículos vendidos na Suécia e na Noruega. Para garantir o cumprimento da Regulação Geral de Proteção de Dados da União Europeia, que entra em vigor no fim de maio, os dados serão anônimos e agregados.

Referências:
http://cio.com.br/opiniao/
https://www.tecmundo.com.br/mobilidade-urbana-smart-cities

Não posso fazer tijolos sem barro

Sherlock Holmes

"Dados! Dados!", gritou impaciente.
"Eu não posso fazer tijolos sem barro."
As Faias Cor de Cobre





E você? Como tomas suas decisões?
Tem o apoio de informações precisas sobre o seu negócio?

conheça nossos serviços